Pilar de Goiás e seus mais de 270 anos de história

10/03/2017 16:55
Pilar de Goiás é uma daquelas cidades de interior que te faz viajar a cada passo. Só para se ter uma ideia, Pilar é um dos municípios mais antigos de Goiás e foi tombado pelo Instituto Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 1954, tamanha a riqueza e o valor histórico desse pedaço de chão que fica localizado no Vale do São Patrício.

Hoje Pilar tem uma população de 2.733 habitantes, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2010, mas nem sempre foi assim. Os primeiros moradores foram os escravos fugitivos que encontraram ali abrigo e grande quantidade de ouro. Com o fim da mineração, Pilar passou décadas isoladas e chegou a ter apenas 270 moradores em 1950, o que ajudou na preservação do patrimônio.
 
O nome da cidade nasceu de uma promessa de um dos garimpeiros que buscavam por ouro na região. Havia abundância da pedra preciosa, mas a água não brotava da terra, o que dificultava o garimpo. Foi então que o minerador teve a ideia de prometer à Nossa Senhora do Pilar que, se a água brotasse, ele doaria um sino de ouro para a igreja que seria construída na vila. A Santa fez sua parte e o garimpeiro também. A partir daí a vila de Papuã passou a se chamar arraial de Pilar de Goiás, em homenagem à Santa. A produção de ouro de Pilar surpreendeu. Em 10 anos produziu-se o que toda a província de Goiás produziu em um século de garimpo.

Por ser um município antigo, Pilar de Goiás reserva uma série de surpresas, como o Museu Casa da Princesa, inaugurado em 1981, que também é conhecido por Casa de Rótulas por suas janelas. O museu possui um rico acervo que conta a história da mineração em Pilar. A entrada é franca.  

A Casa de Câmara e Cadeia de Pilar é considerada a menor do tipo no Brasil. Nesses espaços, na época do Brasil Colônia, se instalavam os órgãos da administração pública municipal. Além de abrigar as autoridades, era ali também que ficava a cadeia, onde acusados eram julgados e, se condenados, levados presos. Em condições muito precárias eles ficaram até a morte por motivo de doença ou eram enforcados.

Ao lado da Igreja Matriz Nossa Senhora do Pilar, que foi construída em 1747, ficam os sinos de Pilar, os maiores já feitos para uma igreja em Goiás – chegam a pesar 900 quilos. Fica ali também, na Praça, o Chafariz São José, edificado em 1745. A água pura e cristalina jorra dos canos e sacia a sede dos visitantes. 

Fonte: Klau Bueno - Assessoria de Comunicação da AGM

GALERIA DE FOTOS

BENEFÍCIOS

ANÚNCIOS

Matrichã Evento Gastronomico tereoxente Encontro Marcha Mais Webb

REDES SOCIAIS

Facebook Twitter Youtube Instagram